Gestão de negócios: 6 erros que todo gestor deve evitar

Tempo estimado de leitura: 10 minutos

Estar atento ao planejamento estratégico, bem como ao controle financeiro e pessoal do seu empreendimento, é um cuidado que ajuda o empreendedor a gerir o negócio de forma que ele consiga alcançar os seus objetivos. Afinal de contas, uma má gestão pode ser determinante para o fracasso de uma empresa.

blog

09 de junho de 2017

Gestão de negócios: 6 erros que todo gestor deve evitar

09 de junho de 2017 - 09:42 - atualizado em 09 de junho de 2017 - 10:57

gestao-de-negocios-6-erros-que-todo-gestor-deve-evitar

Uma gestão de negócios eficiente é a base para o crescimento sólido de qualquer empresa. Mesmo que o empreendedor tenha plena confiança na qualidade e nos diferenciais do seu produto ou do seu serviço, a grande verdade é que sem uma administração eficaz, dificilmente o negócio conseguirá se sustentar por muito tempo.

É bastante comum que pequenos imprevistos surjam atrelados ao crescimento de um negócio. No entanto, quando se tem uma gestão eficiente, os riscos que essas ações inesperadas têm são infinitamente menores quando comparados a uma administração sem controle.

Estar atento ao planejamento estratégico, bem como ao controle financeiro e pessoal do seu empreendimento, é um cuidado que ajuda o empreendedor a gerir o negócio de forma que ele consiga alcançar os seus objetivos. Afinal de contas, uma má gestão pode ser determinante para o fracasso de uma empresa.

Para evitar possíveis desgastes e obter sucesso no seu empreendimento, separamos 6 erros comuns que todo gestor deve evitar. Confira quais são eles no post de hoje:

1. Não elaborar um plano de negócios consistente

gestao-de-negocios-6-erros-que-todo-gestor-deve-evitar

O planejamento estratégico muitas vezes é visto como uma ação irrelevante. Afinal, no início de um empreendimento, é preciso desenvolver diversas ações ao mesmo tempo, e qualquer esforço que não traga vantagens visíveis e imediatas pode parecer perda tempo. Não reproduza esse erro.

Alguns gestores cometem o deslize de não dedicar esforços nem atenção ao planejamento estratégico logo na 1ª fase do negócio, e essa escolha acarreta em uma sequência de erros que poderiam claramente ser evitados com um bom planejamento.

Adotar um plano de negócios é uma maneira eficaz de prever todos os riscos do empreendimento, pois essa ferramenta funciona como um verdadeiro guia que indica o melhor caminho a ser seguido para que a empresa alcance as metas desejadas e previna os possíveis acidentes que podem acontecer ao se lançar no mercado.

Outra grande vantagem de possuir um business plan documentado é facilitar e dar direção para o dia a dia de toda a equipe. Com uma estratégia traçada, é possível estipular métricas, além de apresentar um caminho claro de todas as ações que precisarão ser realizadas para que o negócio cresça de forma segura e alcance resultados satisfatórios.

Com isso, fica mais fácil analisar o desempenho que o empreendimento vem apresentando e faz com que se perca menos tempo útil pensando em qual será o próximo passo, além de aumentar significativamente a produtividade do time.

No início de um empreendimento, muitas vezes é difícil ter um pensamento a longo prazo, mas o exercício de montar um plano de negócios ajuda o empreendedor a ter uma visão articulada e a esclarecer o que ele espera do futuro. Com isso, torna-se mais fácil traçar as estratégias que serão adotadas para chegar até o objetivo desejado.

Como elaborar um plano de negócios eficiente

Para que um plano estratégico seja eficaz, é preciso ter uma visão ampla do negócio. Sendo assim, torna-se indispensável contar com a experiência e colaboração de toda a sua equipe para levantas questões, por exemplo:

  • “o que fazemos?”;

  • “para quem fazemos?”;

  • e “onde queremos chegar?”.

Essa ação também é muito importante para garantir que todos os colaboradores estejam alinhados com o projeto e que busquem alcançar os mesmos objetivos. O plano documentado passará a ser um guia que sinalizará como toda a equipe deverá trabalhar para alcançar as metas estipuladas durante o desenvolvimento das atividades.

Depois de reunir a sua equipe e de elencar alguns diferenciais do seu negócio, o primeiro passo é realizar um estudo aprofundado do seu mercado e do seu público-alvo. Nesse sentido, é de suma importância que você conheça:

  • as peculiaridades e a atual situação da indústria em que você pretende entrar;

  • o perfil do seu consumidor;

  • as atuação da sua concorrência;

  • e, principalmente, os seus principais fornecedores.

Documentar o perfil do seu consumidor possibilita que você o conheça melhor e descubra quais são as suas necessidades no dia a dia — isso ajuda a esclarecer como o seu empreendimento vai poder ajudá-lo.

Estudar quem são os seus fornecedores também é uma ação importante, pois permite estreitar o relacionamento entre vocês. No início de um empreendimento isso faz toda a diferença, afinal, é comum ver pequenas e médias empresas ficarem na mão de um único fornecedor, o que pode comprometer toda a operação do negócio.

Por fim, ao desenhar um planejamento estratégico, procure levantar quais são as forças e as fraquezas do empreendimento e quais são as ameaças que o negócio pode enfrentar, além das oportunidades existentes para crescer de forma sólida e consistente.

No início de um novo negócio, é muito comum surgirem várias ideias aparentemente geniais — mas que no papel se mostram insustentáveis. O plano de negócios serve, assim, como um roteiro inicial do empreendimento: ele vai apontar o caminho que o empreendedor precisará seguir para fazer com que a empresa cresça e ganhe escala de maneira consistente.

O mais importante é que o planejamento estratégico seja um documento claro e de fácil acesso para que todos possam contribuir e para que a análise e revisão das metas e dos objetivos possam ser revistos de tempos em tempos.

2. Não manter um controle adequado do fluxo de caixa

No tópico anterior ficou muito clara a importância de desenvolver um planejamento estratégico eficiente para começar um empreendimento com o pé direito. Porém, outro fator determinante para alcançar o sucesso do seu negócio é saber como administrar as finanças de maneira eficiente.

Outro erro bastante comum que alguns gestores cometem no início de um empreendimento é deixar a área financeira correr livremente sem um controle adequado. Esse é um equívoco gravíssimo, que pode custar todo o seu patrimônio.

Manter a saúde financeira de um empreendimento em dia é extremamente importante para que ele se desenvolva de maneira sólida. Afinal, as principais operações que determinam o crescimento da empresa demandam investimentos e, para isso, é preciso saber exatamente o dinheiro que está entrando e o dinheiro que está saindo do caixa.

O grande segredo para conseguir alcançar o sucesso do seu negócio está em uma conta bastante simples: os lucros devem sempre superar os investimentos. Para que isso seja possível, é indispensável ter um controle adequado do fluxo de caixa.

O fluxo de caixa nada mais é do que uma estratégia que permite controlar toda a movimentação financeira de uma empresa, o que ajuda o empreendedor a tomar as melhores decisões com o dinheiro, além prever com precisão o futuro do seu negócio.

O principal objetivo do fluxo de caixa é entender se a capacidade do empreendimento para gerar dinheiro é suficiente para arcar com as suas despesas e manter o desenvolvimento do negócio ou se o empreendimento exige um financiamento.

Essa ferramenta também permite que o empreendedor saiba exatamente como o dinheiro está sendo utilizado dentro da empresa e se ele está sendo aplicado nas melhores estratégias, o que evita desperdícios.

Como manter um controle adequado do fluxo de caixa

O primeiro passo para desenvolver um fluxo de caixa eficiente é dedicar tempo e esforço para relacionar todas as vendas (entradas) e pagamentos (saídas) do seu empreendimento. Existem diferentes métodos que podem ser utilizados para desenvolver esse controle, seja em uma planilha ou até mesmo em um sistema on-line próprio para essa atividade.

Para começar, divida o fluxo em 3 categorias:

  • recebimentos;

  • pagamentos;

  • e saldo.

Em recebimentos, você deve considerar as vendas diárias dos serviços, produtos ou de empréstimos, se esse for o caso. Em pagamentos, considere todas as despesas fixas — como aluguel, água, luz, internet, telefone, além dos salários de funcionários e das compras de fornecedores.

É importante fazer esse fechamento diariamente, pois ao final de cada mês ele é que vai determinar o saldo gerado pela empresa.

Desenvolver um planejamento com as metas diárias, mensais e anuais de lucratividade que a empresa pretende atingir com base nos dados dos meses anteriores é uma atividade importante, que vai ajudar a prever acidentes e a controlar com eficiência as finanças do empreendimento.

O grande segredo é ter disciplina para registrar todas as movimentações financeiras diariamente, pois o principal fator que implica no descontrole da gestão financeira é não registrar pequenas atividades rotineiras ou deixar o processo para depois e se esquecer dele. Portanto, fique atento!

3. Não cortar despesas e custos desnecessários

Se por um lado o controle da gestão financeira é determinante para o sucesso da empresa, por outro, manter despesas e custos muito elevados pode comprometer todo o seu empreendimento.

Para ser um negócio competitivo junto ao mercado, a empresa não pode só oferecer preços baixos. Um dos principais diferenciais de qualquer empreendimento é uma gestão eficiente, e isso se manifesta principalmente na habilidade de conseguir controlar os gastos desnecessários.

Com uma boa administração de custos, o empreendedor consegue prever pequenos acidentes no decorrer da sua estratégia e, assim, estabelecer critérios para diminuir os gastos com sabedoria, sem que isso afete o crescimento do seu negócio.

Como cortar despesas e custos desnecessários

De fato, reduzir os gastos de uma operação é uma necessidade para manter o crescimento sólido. Porém, é preciso se basear em dados consistentes da empresa para não cometer o erro de realizar ajustes que prejudiquem o seu crescimento.

Para isso, é fundamental começar levantando todos os custos que atualmente o seu negócio carrega. Mapeando esses gastos fica fácil observar quais deles podem ser flexibilizados sem que isso impacte negativamente nos resultados atuais.

Outra dica importante é estar atento ao investimento feito em equipe, afinal, esse é um dos principais custos de qualquer empresa. Nesse sentido, é fundamental entender como anda o rendimento dos seus colaboradores internos e se você realmente está obtendo um bom retorno com o investimento em cada indivíduo.

Segundo alguns especialistas, um grande erro cometido pelas empresas, principalmente aquelas que estão em seu estágio inicial, é manter um gasto com folha de pagamento superior a 30% do faturamento total.

O fato é que, com o objetivo de crescer rapidamente, algumas empresas contratam mais funcionários do que poderiam, mas se esquecem de que deverão arcar com outras obrigações como o pagamento de 13º salário, férias e até mesmo despesas de demissão, quando houver. Esses fatores podem impactar diretamente na saúde financeira do negócio.

Uma opção que pode ajudar a diminuir esse custo é terceirizar algum setor. No entanto, isso deve ser muito bem calculado para saber se realmente é uma saída rentável para o negócio. Conhecer profundamente o seu empreendimento, bem como todas as áreas dele, é fundamental para conseguir estipular cortes de custos ou recalcular as melhores estratégias.

Tudo vai depender do quanto você sabe sobre os investimentos atuais do seu negócio e o quanto poderia economizar fazendo pequenas substituições para melhorar os resultados dos seus esforços.

4. Não investir na capacitação de colaboradores

Um fato que todo líder deve sempre ter em mente é que ninguém carrega uma empresa sozinho. É preciso ter um time de pessoas alinhadas com os objetivos da empresa, com as quais possa contar e, acima disso, que gostem do que fazem, que trabalhem bem em equipe e que saibam priorizar a coletividade. Formar essa equipe nem sempre é uma tarefa fácil para o gestor.

Trazer pessoas desalinhadas com a cultura da empresa pode impactar negativamente todas as outras áreas e barrar o crescimento do seu negócio. Portanto, é de suma importância que o gestor saiba como selecionar cada novo colaborador e que seja rápido para demitir funcionários que não se encaixam no perfil do empreendimento (para que esses não venham causar danos irreversíveis à equipe).

No entanto, formar um bom time é apenas o primeiro passo. É preciso, ainda, investir em capacitação e treinamentos que valorizem o colaborador e ajudem a trazer e reter novos talentos para a sua organização.

Por que investir na capacitação de colaboradores

Quando você investe na capacitação de toda a sua equipe, é natural que o seu negócio ganhe uma vantagem competitiva junto aos seus concorrentes, pois o seu empreendimento passa a entregar um serviço de qualidade com atendimento diferenciado, que é o que a maioria dos clientes busca hoje em dia.

Outra grande vantagem de investir em treinamentos de colaboradores é melhorar cada vez mais a qualidade do que está sendo entregue. Afinal, quanto mais preparado o funcionário estiver, melhor será a sua eficiência dentro da empresa — isso influencia diretamente no aumento do valor percebido do seu empreendimento.

A produtividade do time também sai ganhando, pois, além de estar apto a gerar resultados melhores com treinamentos adequados, o colaborador também sente que o seu trabalho está sendo reconhecido. Isso gera uma satisfação pessoal e um desejo de contribuir mais e melhor com a organização.

Atualmente, o capital humano é visto como uma grande aposta para driblar a concorrência e o investimento na equipe é um fator extremamente relevante para conquistar esse patamar. Desenvolva, portanto, um plano de para treinar e capacitar os seus colaboradores e aumente o seu poder competitivo junto aos concorrentes.

Estabelecer metas claras do desempenho da sua equipe é um bom exercício para medir o quanto esse investimento está funcionando. E esse é o assunto que vamos abordar no próximo tópico.

5. Não estabelecer metas claras para a equipe

De fato, para muitos colaboradores o trabalho já é estimulante o bastante para que desejem desempenhar as suas funções cada vez melhor. No entanto, oferecer desafios que possibilitam crescimentos e valorizar os resultados alcançados são práticas que um gestor deve adotar para incentivar a evolução de cada um, além do sucesso da equipe como um todo.

Se você não mede os resultados da sua equipe, fica impossível determinar o quanto eles precisam e podem melhorar a cada dia. As metas representam as ações que deverão ser tomadas para chegar até o objetivo do empreendimento e, por isso, elas são vistas como um requisito para administrar bem um negócio.

Antes de estabelecer metas para os seus colaboradores é preciso mapear quais são as suas metas como gestor e qual é o objetivo que você pretende atingir com o seu negócio. A partir daí fica mais fácil pontuar o que os seus funcionários precisarão fazer para chegar no objetivo delimitado.

Como estabelecer metas para a equipe

As metas são responsáveis por manter o planejamento de um empreendimento sempre muito bem alinhado. Quando se estipula algo, todas as ações — sejam elas de curto, médio ou longo prazo — devem caminhar para atingir esse objetivo final.

Para estabelecer as metas que devem ser adotadas pela sua equipe, leve em consideração os seguintes pontos:

As metas precisam ser claras

As metas devem ser simples e bastante específicas. Para alcançar o objetivo desejado, é preciso saber o que, como e quando fazer aquilo que foi estabelecido.

As metas precisam ser mensuráveis

Para que todos os colaboradores se sintam motivados a alcançar as metas é preciso estabelecer objetivos facilmente mensuráveis. Colocar datas e prazos de entrega para as ações pode ajudar bastante nesse processo.

As metas precisam ser controladas

Esse tópico pode até parecer óbvio, mas alguns gestores estabelecem metas, documentam e se esquecem de acompanhar para avaliar os resultados. Dessa forma, lembre-se: ao estabelecer as suas metas, reveja constantemente o que está performando bem, o que de fato é relevante para considerar como meta e o que pode ser flexibilizado para alcançar os objetivos desejados.

O sucesso nunca acontece por acaso. Pelo contrário: é preciso muito esforço para chegar aonde você deseja. Sendo assim, é importante que o colaborador saiba onde o seu empreendimento pretende chegar e o que você espera dele para alcançar esse objetivo. Com isso ele saberá se está entregando aquilo que precisa e atendendo às suas expectativas como gestor.

6. Não investir em tecnologia

A tecnologia já faz parte do dia a dia das pessoas. Podemos dizer que, atualmente, ela se faz necessária para o desenvolvimento de qualquer empresa, principalmente com o mercado dinâmico e altamente competitivo que enfrentamos.

O investimento em tecnologia da informação (TI) permite uma grande comodidade, além de impactar positivamente diversas áreas operacionais de uma empresa, fornecendo dados e informações que contribuem para uma estratégia de crescimento do negócio.

Atualmente, automatizar e otimizar processos com a ajuda da tecnologia não é mais uma exclusividade de grandes empresas. E, nesse cenário, se torna cada vez mais fácil compreender que a modernização de processos está diretamente atrelada ao sucesso de qualquer empreendimento que deseja crescer de forma sólida e constante.

Como saber, então, qual é a hora de investir em tecnologia? Existem inúmeras discussões entre especialistas que pretendem apontar quais são as necessidades e o momento ideal para investir fortemente em tecnologia dentro de uma empresa. No entanto, essa resposta deve vir após uma análise interna — é a partir dela que o gestor e a sua equipe poderão entender quais serão os benefícios e as vantagens desse investimento para o negócio.

Melhorar o desempenho e a produtividade da equipe, otimizar recursos, automatizar operações que diminuem as chances de erro humano e interrupções, além de monitorar todos os eventos que acontecem no seu empreendimento são apenas alguns benefícios que a tecnologia pode trazer para o seu negócio.

No entanto, é preciso ter atenção. É importante investir em tecnologias que realmente façam sentido para a sua operação, e não gastar dinheiro com tecnologia inútil para o seu negócio. Ter isso em mente é indispensável para fazer a escolha correta, isto é, para tomar aquela decisão que vai proporcionar o crescimento sólido da sua empresa.

Por fim, podemos resumir todos os tópicos anteriores em uma afirmação: o seu empreendimento vai ganhar destaque se mantiver uma gestão assertiva e cuidadosa.

Afastando os principais erros de uma gestão é possível manter a estabilidade e a competitividade do seu empreendimento. Só assim será possível se diferenciar definitivamente da concorrência e se tornar uma referência de qualidade no serviço que você oferece.

Esteja sempre atento aos mínimos detalhes e não se apegue ao receio de mudar — seja flexível em determinadas situações. Pequenas mudanças podem ser fundamentais para o crescimento e desenvolvimento do seu negócio.

E então, gostou das dicas? Compartilhe sua experiência como gestor conosco! 

09 de junho de 2017 - 09:42 - atualizado em 09 de junho de 2017 - 10:57

COMENTÁRIOS PARA ESTE POST